Highslide for Wordpress Plugin
Liturgia diária
Evangelho: 6ª-feira da 28ª Semana do Tempo Comum
Santo: São Pedro de Alcântara
Pastorais e movimentos
Pastoral da LiturgiaPastoral da Liturgia
Estudo Bíblico › 14/10/2013

O Evangelho segundo Lucas: O caminho do discipulado

Introdução

O Evangelho segundo Lucas é uma narrativa bastante particular, pelo fato de ser parte de uma obra maior: a chamada obra lucana (Lc-At). Ainda que o terceiro evangelho seja um dos três sinóticos, o que, sem dúvida, o aproxima dos relatos segundo Marcos e segundo Mateus… deve-se sublinhar a sua particularidade literária, exegética e teológica. Os quais emergem em sua grande maioria da compreensão do autor de dividir a sua obra em duas fases distintas, porém, intimamente ligadas e inter-relacionadas.

Diversos aspectos da obra salvífica de Jesus de Nazaré, o Messias (Cristo) Morto e Ressuscitado,  são inteligentemente distribuídos ao longo dessas duas fases histórico-teológico-literárias. Por exemplo: 1) a questão do  derramamento do Espírito; 2) a inserção dos Samaritanos na herança de Judá (do Messias judeu); 3) a dimensão universal da salvação (o anúncio aos gentios), etc.

I – A inclusão (moldura) literária

1) O Evangelho lucano:

A) Começa em Jerusalém, no Templo: Zacarias recebe o anúncio do nascimento de seu filho (João, o batista) – Lc 1,8-9;

B) Termina em Jerusalém, no Templo:  Após as últimas instruções do Ressuscitado e da sua Elevação, os discípulos se dirigem ao Templo para orar e dar graças – Lc 24,52-53)

2) O Livro de Atos dos Apóstolos:

A)    Começa em Jerusalém:  Jesus ressuscitado aparece aos seus discípulos por 40 dias falando do Reino de Deus – At 1,3; “Permanecei em Jerusalém… recebereis o Espírito Santo e sereis minhas testemunhas a começar por Jerusalém, Judeia, Samaria e até os confins da terra” (1,8).

B)    “Termina” em Roma, capital do Império, [compreendida como a “extremidade da terra” (cf. 1,8)], onde se encontra Paulo “proclamando o Reino de Deus e ensinando tudo que se refere ao Senhor Jesus Cristo…” (At 28,31).

II – O tema da Salvação

A primeira menção ocorre no Magnificat, o cântico de Maria, quando se descreve a Deus como Salvador: “A minha vida glorifica o Senhor e o meu espírito exulta em Deus meu Salvador…” (Lc 1,46-47). Este Cântico lucano recorda Is 43,3; 45,15.21).

Desde suas origens como povo eleito, Israel conhecia Deus como aquele que Salva (Ex 14,13.30). Depois da passagem pelo Mar, Moisés e o povo cantam “Minha força e meu canto é o Senhor, Ele se tornou minha salvação” (Ex 15,2).

A Escritura é fundada sobre a compreensão de Deus como aquele que salva Israel, sobre o ato histórico da libertação de Israel da escravidão do Egito. A memória deste ato de salvação torna-se o tipo, o paradigma, de todo tipo de salvação futura operada por Deus em favor de Israel. Torna-se, portanto, a promessa e a esperança da salvação futura no tempo (dimensão histórica) e no fim dos tempos (dimensão escatológica).

O Deus de Israel é o Deus da Salvação (ou das salvações). Em realidade,  para Israel não existe outro Salvador a não ser Deus (Is 43,11; Os 13,4). Ainda que Ele envie salvadores humanos nos tempos de crise (Jz 3,9.15; Is 19,20; Ne 9,27; e At 7,25). Deus promete que enviará um Rei Messias que salvará Israel e reinará para sempre (Is 9,1-6; Jr 23,5-6; Dn 7,13-14). A Salvação de Deus não é, portanto, somente um evento histórico e passageiro, mas é uma salvação permanente, constante e eterna (Is 45,17; 51,6-8).

Nos Evangelhos sinóticos, somente Lucas utiliza o título de Salvador que é atribuído a Jesus de Nazaré. Contudo, Lucas sublinha que foi Deus que o constituiu Salvador. Com exceção de Jo 4,22, somente Lucas utiliza entre os evangelistas a palavra “salvação”.

O anjo anuncia aos pastores de Belém… “hoje, nasceu para vós um Salvador, que é o Cristo Senhor (Lc 2,11).

Zacarias canta na sua profecia (3x):

1) O Senhor Deus de Israel suscitou um “chifre” (força) de Salvação… para nós na casa de David…

2) “Conforme falou pela boca dos santos profetas… que nos salvaria de nossos inimigos e das mãos daqueles que nos odeiam…” (Lc 1,68-71);

3) Diz ainda que:  “… seu filho João preparará os caminhos do Senhor… para dar conhecimento da Salvação ao povo pelo perdão de seus pecados, pela sua misericórdia, quando nos visitará… com o sol nascente… que brilhará sobre aqueles que estão  na escuridão e a sombra do morte.. para guiar nossos passos no caminho da paz..”. (Lc 1,77-79).

Note-se a insistência lucano sobre o “Hoje…” é o dia da Salvação:

1)     Hoje… nasceu para vós um salvador…. (Lc 2,11)

2)     Hoje… se cumpriu a Escritura que acabastes de ouvir (Lc 4,21)

3)     Hoje… a salvação entrou nesta casa (Lc 19,9)

4)     Hoje… estarás comigo no Paraíso… (Lc 23,43)

Segundo Lucas, a Salvação Divina oferecida por meio do seu Filho, Jesus de Nazaré, o Messias morto e ressuscitado, é permanente, é presente, se realiza no hoje da história humana, no hoje da vida de cada pessoa que se abre à comunhão com Ele.

Vejamos o esquema sinótico-lucano:

Quadro síntese – Esquema dos Evangelhos Sinóticos

 

 

Mt

Mc

Lc

   

Relatos da Infância

Genealogia:

1,1-17

 

1,18-2,23

_______

 

_______

Prólogo: 1,1-4

 

 

1,5-2,52

 

Preparação  para o ministério público

de Jesus

 

3,1-4,11

 

1,1-13

 

 

3,1-4,13

 

Genealogia:

3,23-38

 

 

Ministério

de Jesus

na Galileia

 

 

4,12-18,35

 

cura de 2 cegos: 9,27-31

confissão de Pedro

16-13-20

 

1,14-9,50

 

cura 1 cego:

8,22-26

confissão de Pedro

8,27-30

 

4,14-9,50

 

_____

 

confissão

de Pedro**

9,18-21

 

 

 

Viagem de Jesus para Jerusalém

 

 

19,1-20,34

 

cura 2 cegos: 20,29-34

 

viram de novo

e seguiram-no

 

10,1-52

 

cura 1 cego: 10,46-52

 

viu de novo

e seguia Jesus pelo caminho

 

 

9,51-18,43

 

cura 1 cego: 18,35-43

 

viu de novo

e seguiu Jesus

 

Em Jerusalém:

 

 

Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus

Entrada em Jerusalém:

21,1-9 (10-11)

 

21,1-28,20

Entrada em Jerusalém:

11,1-10(11)

 

11,1-16,20

Entrada em Jerusalém:

19,29-38(39-40)

 

19,29-24,53

No relato lucano não há repreensão a Pedro (Note-se que Pedro não questiona Jesus). O mesmo ocorre no relato do Monte das Oliveiras (22,39-46).  Da mesma forma durante a Ceia derradeira Jesus afirma que orou por Pedro (22,28-34).

Aspectos teológicos específicos do Evangelho segundo Lucas:

1)    Os Relatos da Infância (diferentes de Mt)

  • São uma síntese teológica de toda a obra Lucana (Lc-At)
  • Começam no Templo e terminam no Templo (Jerusalém)
  • São 7 relatos (incluídos 4 cânticos: Magnificat; Benedictus; Nunc dimittis e Glória)
  • Existe um paralelismo “desigual” entre João Batista e Jesus de Nazaré (Este último é maior do que o primeiro)
  • O ponto central dos relatos é a Apresentação de Jesus no Templo (Simeão e Ana se encontram com o menino no Santuário)
  • A alegria e o júbilo são características marcantes em toda a narrativa.
  • Sublinha-se a ação do Espírito Santo: todos os personagens dos relatos da infância estão cheios do Espírito; suas ações e cânticos estão marcados pelo júbilo e pela ação do Espírito.

2)    A viagem (a subida) para Jerusalém recebe destaque teológico (Lc 9,51-18,43).

  • Lucas elabora uma catequese (com caráter pedagógico e progressivo)
  • Quanto às parábolas do Reino, deve-se destacar o ensinamento lucano sobre a Misericórdia divina (Lc 15): as parábolas exclusivamente lucanas: A ovelha perdida (vv.1-7); a moeda perdida (vv.8-10); o filho perdido (vv.11-32), os três são reencontrados.. há festa, banquete. Há páscoa, vida nova (ressurreição).
  • A presença das mulheres: Maria, Elisabeth, Ana (Lc 1-2); Maria Madalena, Joana, Susana (8,1-3).
  • Lucas é o evangelista que mais sublinha o ensinamento sobre a pobreza e a centralidade da evangelização dos pobres (Lc 4,16ss). Para Lucas, a questão da riqueza e o acúmulo de bens é um obstáculo que impede a aproximação do Reino de Deus e bloqueia a participação no mesmo (Lc 12,33-34; 14,33; 16,1-13; At 2,42-47; At 4,32-37). Nesta perspectiva, é paradigmático o relato do Rico (sem nome) e do pobre Lázaro = 16,19-30).
  • Jesus sobe a Jerusalém para enfrentar e submeter-se à Paixão e Morte de Cruz (Lc 9,51).
  • Porém, ele adverte aos seus discípulos.. “Ao terceiro dia, O Filho do Homem ressuscitará”! (3 anúncios – Primeiro: Lc 9,22; Segundo: Lc 9,43b-45;  e o Terceiro: Lc 18,31-34)

 3) A Paixão

  • Após o primeiro anúncio da Paixão e ressurreição, Lucas omite a repreensão (censura) a Pedro (Mc 8,32b-33: Mt 16,22-23)
  • Após o Terceiro anúncio da Paixão e ressurreição, Lucas omite o pedido dos filhos de Zebedeu (Mt 20,20-23; Mc 10,35-40)
  • Durante a oração de Jesus no Jardim, antes de sua prisão, ora ao Pai.. seus discípulos dormem. Porém, Jesus, segundo Lucas, Chama a atenção seus discípulos uma única vez (diferente de Mc e Mt). Além disso, note-se que Jesus não nomeia a Pedro.
  • Ainda, deve-se lembrar que durante a ceia pascal, Jesus afirma que orou por ele para livrá-lo de Satanás (Lc 22,31-34).
  • Na crucificação: os dois ladrões insultam Jesus (Mt, Mc, Jo)… Porém, Segundo Lucas.. há um diálogo entre os crucificados.

3)    Os relatos referentes ao Senhor Ressuscitado

    • Todos os relatos são descritos em Jerusalém.
    • O relato paradigmático lucano: A caminho de Emaús. Uma catequese, um processo de reconhecimento do crucificado-ressuscitado, à luz das Escrituras, no partir do pão.  Ele está vivo… e caminha conosco…!

Estudo elaborado por Pe. Boris Agustin Nef, professor de teologia bíblica na P.U.C de São Paulo.




Onde estamos
Largo Santa Angela, 22 - Vila Moraes São Paulo, SP (saiba como chegar)
Horários de Missas

Paróquia Santa Ângela e São Serapião

Segunda-feira, às 15h, Missa pelas almas;
Terça e Quinta-feira, às 19h30;
Sábado, às 16h;
Domingo, às 7h, 10h e 18h;

Toda primeira segunda-feira do mês, às 20h, Missa dos homens;
Toda primeira quinta-feira do mês, às 15h, Missa da saúde;
Toda primeira sexta-feira do mês, às 5h30, Missa do Sagrado Coração;
Toda última quinta-feira do mês, às 17h30, Adoração e às 20h, Missa da família.

Comunidade Imaculada Conceição

Quarta-feira, às 19h30;
Domingo, às 8h30.

Siga-nos