Highslide for Wordpress Plugin
Liturgia diária
Evangelho: São Vito, mártir
Santo: Santos João Fischer e Tomás More
Pastorais e movimentos
Pastoral do BatismoPastoral do Batismo

A Santa Missa – 11. Liturgia Eucarística: I. Apresentação dos presentes

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Continuamos com a catequese na Santa Missa. Na Liturgia da Palavra – sobre a qual refleti nas últimas catequeses – segue a outra parte constitutiva da Missa, que é a Liturgia Eucarística . Nela, através dos signos sagrados, a Igreja continua a fazer presente o Sacrifício da nova aliança selada por Jesus no altar da Cruz (cf. Concílio Ecumênico do Vaticano II , Const. Sacrosanctum Concilium , 47). Foi o primeiro altar cristão, o da Cruz, e quando nos aproximamos do altar para celebrar a Missa, nossa memória vai para o altar da Cruz, onde foi feito o primeiro sacrifício. O sacerdote, que na Missa representa a Cristo, faz o que o próprio Senhor fez e confiou aos discípulos na última ceia:tomou o pão e o copo , deu graças , deu-os aos discípulos , dizendo: “Pegue, coma … beba: este é o meu corpo … esta é a taça do meu sangue. Faça isso em memória de mim.

Obediente ao comando de Jesus, a Igreja organizou a Liturgia Eucarística em momentos que correspondem às palavras e gestos feitos por Ele na véspera de sua Paixão. Assim, na preparação dos presentes , o pão e o vinho são trazidos para o altar, isto é, os elementos que Cristo tomou em suas mãos. Na oração eucarística , damos graças a Deus pela obra da redenção e as ofertas se tornam Corpo e Sangue de Jesus Cristo. Seguem-se a fração do Pão e da Comunhão , através da qual revivemos a experiência dos Apóstolos que receberam os dons eucarísticos das mãos do próprio Cristo (ver instruções gerais do Missal Romano , 72 ).

No primeiro gesto de Jesus: “Ele tomou o pão e o copo de vinho”, corresponde, portanto, à preparação dos presentes . É a primeira parte da liturgia eucarística. É bom que os fiéis apresentem o pão e o vinho ao sacerdote, porque significam a oferta espiritual da Igreja reunida para a Eucaristia. É lindo que os fiéis tragam o pão eo vinho ao altar. Embora hoje “os fiéis já não tragam seu próprio pão e vinho destinados à liturgia, como sempre, o rito da apresentação desses presentes preserva seu valor e significado espiritual” ( ibid. , 73). E, a este respeito, é significativo que, ao ordenar um novo sacerdote, o Bispo, quando lhe dê pão e vinho, diz: “Receba as ofertas do povo santo para o sacrifício eucarístico” ( Pontificio romano – Ordenação dos bispos, presbíteros e dos diáconos ). O povo de Deus que traz a oferta, o pão e o vinho, a grande oferta para a missa! Portanto, sob os sinais do pão e do vinho os fiéis depositam sua oferta nas mãos do sacerdote, que por trás do altar ou mesa do Senhor “que é o centro de toda a liturgia eucarística” ( IGMR , 73). Ou seja, o centro da Missa é o altar, e o altar é Cristo; sempre devemos olhar para o altar que é o centro da missa. No “fruto da terra e da obra do homem”, o compromisso dos fiéis é, portanto, oferecido para fazer de si mesmos, obedientes à Palavra divina, um “sacrifício agradável a Deus, o Pai Todo-Poderoso”, “pelo bem de todos os seus igreja sagrada ». Assim, “a vida dos fiéis, o sofrimento, a oração, a sua obra, estão unidos aos de Cristo e a sua oferta total, e assim adquirem um novo valor” ( Catecismo da Igreja Católica , 1368).

Claro, nossa oferta é pequena, mas Cristo precisa desse pouco. Ele nos pede pouco, o Senhor, e ele nos dá tanto. Isso nos pede pouco. Ele nos pede, na vida comum, boa vontade; ele nos pede um coração aberto; Ele nos pede para querer ser melhor para receber o que se oferece a nós na Eucaristia; Ele nos pede essas ofertas simbólicas que se tornarão Seu corpo e Seu sangue. Uma imagem deste movimento de oração oblacional é representada pelo incenso que, consumido no fogo, libera uma fumaça perfumada que sobe para cima: incenso as ofertas, como faz nas festas, incenso à cruz, ao altar , o sacerdote e o povo sacerdotal manifestam visivelmente o vínculo ofertorio que une todas essas realidades ao sacrifício de Cristo (ver OGMR , 75). E não se esqueça: há o altar que é Cristo, mas sempre em referência ao primeiro altar que é a Cruz, e no altar que é Cristo, trazemos o pouco de nossos dons, o pão e o vinho que se tornarão então : Jesus mesmo que se entrega a nós.

E tudo isso é o que também expressa a oração nas ofertas . Nela, o sacerdote pede a Deus que aceite os dons que a Igreja lhe oferece, invocando o fruto do maravilhoso intercâmbio entre nossa pobreza e sua riqueza. No pão e no vinho, apresentamos-lhe a oferta de nossa vida, para que ela possa ser transformada pelo Espírito Santo no sacrifício de Cristo e tornar-se com ele apenas uma oferta espiritual que agrada ao Pai. Enquanto a preparação dos presentes é concluída, a Oração Eucarística está disponível (ver ibid. , 77 ).

A espiritualidade do dom de si mesmo , que este momento da Missa nos ensina, pode iluminar nossos dias, nossas relações com os outros, as coisas que fazemos, os sofrimentos que encontramos, ajudando-nos a construir a cidade terrena à luz do Evangelho.




Onde estamos
Largo Santa Angela, 22 - Vila Moraes São Paulo, SP (saiba como chegar)
Horários de Missas

Paróquia Santa Ângela e São Serapião

Segunda-feira, às 15h, Missa pelas almas;
Terça e Quinta-feira, às 19h30;
Sábado, às 16h;
Domingo, às 7h, 10h e 18h;

Toda primeira segunda-feira do mês, às 20h, Missa dos homens;
Toda primeira quinta-feira do mês, às 15h, Missa da saúde;
Toda primeira sexta-feira do mês, às 5h30, Missa do Sagrado Coração;
Toda última quinta-feira do mês, às 17h30, Adoração e às 20h, Missa da família.

Comunidade Imaculada Conceição

Quarta-feira, às 19h30;
Domingo, às 8h30.

Siga-nos