Highslide for Wordpress Plugin
Liturgia diária
Evangelho: 4ª-feira da 3ª Semana da Páscoa
Santo: Santa Inês de Montepulciano
Pastorais e movimentos
Pequeninos de JesusPequeninos de Jesus

A Missa – 14. liturgia eucarística . IV. Comunhão

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

E hoje é o primeiro dia da primavera: boa primavera! Mas o que acontece na primavera? As árvores florescem, as árvores florescem. Eu vou te fazer algumas perguntas. Uma árvore doente ou planta, eles florescem bem, se eles estão doentes? Não! Uma árvore, uma planta que não é regada pela chuva ou artificialmente, pode florescer bem? Não. E uma árvore e uma planta que tirou raízes ou não tem raízes, pode florescer? Não. Mas sem raízes você pode florescer? Não! E esta é uma mensagem: a vida cristã deve ser uma vida que deve florescer em obras de caridade, em fazer o bem. Mas se você não tem raízes, você não será capaz de florescer, e a raiz é quem? Jesus! Se você não está com Jesus, lá, na raiz, você não florescerá. Se você não regar sua vida com a oração e os sacramentos, você terá flores cristãs? Não! Porque a oração e os sacramentos regam as raízes e nossa vida floresce. Desejo a você nesta primavera ser uma primavera florida para você, assim como a florada Páscoa. Florescimento de boas ações, virtude, de fazer o bem para os outros Lembre-se disso, este é um muito bom verso do meu país: “O que a árvore floresceu, vem do que enterrou”. Nunca corte as raízes com Jesus.

E continuemos agora com a catequese da Santa Missa. A celebração da missa, estamos a atravessar as várias fases, é condenada a comunhão, isto é, para unir-nos com Jesus a comunhão sacramental:. Não a comunhão espiritual, você pode fazê-lo em sua casa, dizendo: “Jesus, eu gostaria de recebê-lo espiritualmente” . Não, comunhão sacramental, com o corpo e sangue de Cristo. Nós celebramos a Eucaristia para nos alimentar de Cristo, que nos se tanto dá na Palavra e no Sacramento do altar, para se conformar com ele Ele diz que o próprio Senhor:. “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e Eu nele “( Jo 6,56). Na verdade, o gesto de Jesus que ele deuseus discípulos seu corpo e sangue na Última Ceia, continua até hoje através do ministério do sacerdote e do diácono, ministros ordenados da distribuição para os irmãos do Pão da vida eo cálice da salvação.

Na missa, depois de ter partido o pão consagrado, que é o corpo de Jesus, o sacerdote mostra-o aos fiéis, convidando-os a participar do banquete eucarístico. Sabemos as palavras que ressoam do santo altar: “Felizes os convidados para a Ceia do Senhor aqui é o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo.” Inspirado por uma passagem do Apocalipse – “abençoados são os convidados na festa de casamento do Cordeiro” ( Rev.19.9): diz “casamento” porque Jesus é a esposa da Igreja – este convite nos convida a experimentar a íntima união com Cristo, fonte de alegria e santidade. É um convite que se alegra e ao mesmo tempo leva a um exame de consciência iluminado pela fé. Embora, de fato, vemos a distância que nos separa da santidade de Cristo, por outro acreditam que o seu sangue é “derramado para a remissão dos pecados.” Todos nós fomos perdoados no batismo, e todos nós somos perdoados ou perdoados toda vez que nos aproximamos do sacramento da penitência. E não esqueça: Jesus sempre perdoa. Jesus não se cansa de perdoar. Estamos cansados ​​de pedir perdão. Pensando precisamente no valor salvífico deste Sangue, Santo Ambrósio exclama: “Eu que sempre pequei, devo sempre dispor da medicina” (De sacramentis , 4, 28: PL 16, 446A). Nesta fé, voltamos o nosso olhar para o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo e invocá-lo: “Senhor, eu não sou digno de recebê-lo, mas ‘só para dizer a palavra e serei curado.” Dizemos isso em toda missa.

Se nos movemos em procissão para fazer Comunhão, vamos ao altar em procissão para fazer comunhão, na realidade é Cristo que vem ao nosso encontro para assimilar a si mesmo. Há um encontro com Jesus! Alimentar-se na Eucaristia significa deixar-se mudar à medida que recebemos. Santo Agostinho nos ajuda a compreendê-lo, quando nos fala da luz recebida ao ser contada por Cristo: “Eu sou o alimento dos grandes. Cresça e você vai me comer. E não será você para me transformar em você, como a comida de sua carne; mas tu serás transformado em mim “( Confissões VII, 10, 16: PL32, 742). Toda vez que comungamos, nos parecemos mais como Jesus, nos transformamos mais em Jesus, como pão e vinho são convertidos no Corpo e Sangue do Senhor, assim aqueles que os recebem com fé são transformados em uma Eucaristia viva. Ao sacerdote que, distribuindo a Eucaristia, lhe diz: “O Corpo de Cristo”, você responde: “Amém”, isto é, reconhece a graça e o compromisso que implica tornar-se o Corpo de Cristo. Porque quando você recebe a Eucaristia, você se torna o corpo de Cristo. É lindo isso; é muito lindo. Enquanto nos une a Cristo, nos arrancando do nosso egoísmo, a Comunhão abre-nos e une-nos a todos os que são um em Si. Eis o prodígio da Comunhão: nos tornamos o que recebemos!

A Igreja deseja fortemente que os fiéis também recebam o Corpo do Senhor com hostes consagradas na mesma missa; e o sinal do banquete eucarístico é mais completo se a Sagrada Comunhão é dada sob as duas espécies, sabendo que a doutrina católica ensina que, sob uma espécie de receber toda a Cristo (cf. Instrução Geral do Missal Romano , 85 ; 281-282). De acordo com a prática eclesial, os fiéis geralmente se aproximam da Eucaristia em forma processional, como já dissemos, e comunicam-se permanecendo com devoção ou ajoelhando-se, conforme estabelecido pela Conferência Episcopal, recebendo o sacramento na boca ou, onde é permitido, na mão, como ele prefere (ver OGMR 160-161). Depois da Comunhão, para manter no coração o dom recebido, ajuda-nos o silêncio, a oração silenciosa. Alongue um pouco esse momento de silêncio, conversando com Jesus no coração nos ajuda muito, assim como cantando um salmo ou um hino de louvor (cf. OGMR , 88) que nos ajuda a estar com o Senhor.

A Liturgia Eucarística é concluída pela oração após a Comunhão. Nele, em nome de todos, o padre se volta para Deus para agradecê-lo por nos fazer seus convidados e para pedir que o que foi recebido transforme nossa vida. A Eucaristia nos fortalece para produzir frutos de boas obras para viver como cristãos. A oração de hoje é significativa, na qual pedimos ao Senhor que “a participação em seu sacramento seja para nós, remédio da salvação, nos cure do mal e nos confirme em sua amizade” ( Missal Romano , quarta-feira da 5ª semana da Quaresma) . Aproximamo-nos da Eucaristia: receber Jesus, que nos transforma nele, nos torna mais fortes. O Senhor é tão bom e tão bom!




Onde estamos
Largo Santa Angela, 22 - Vila Moraes São Paulo, SP (saiba como chegar)
Horários de Missas

Paróquia Santa Ângela e São Serapião

Segunda-feira, às 15h, Missa pelas almas;
Terça e Quinta-feira, às 19h30;
Sábado, às 16h;
Domingo, às 7h, 10h e 18h;

Toda primeira segunda-feira do mês, às 20h, Missa dos homens;
Toda primeira quinta-feira do mês, às 15h, Missa da saúde;
Toda primeira sexta-feira do mês, às 5h30, Missa do Sagrado Coração;
Toda última quinta-feira do mês, às 17h30, Adoração e às 20h, Missa da família.

Comunidade Imaculada Conceição

Quarta-feira, às 19h30;
Domingo, às 8h30.

Siga-nos